O esgotamento profissional e social é inevitável durante este momento difícil, por Prof. Dr. Sthefano Atique Gabriel

0
32

Burnout da pandemia

Prof. Dr. Sthefano Atique Gabriel*

Na Itália, epicentro europeu da pandemia do novo Coronavírus, a cidade de Bergamo, localizada próximo a Milão, na região da Lombardia, sofreu irreparáveis prejuízos devido as consequências sociais e econômicas da pandemia.

Em entrevista à BBC, o consultor de indústria farmacêutica Alessandro Consorti, italiano que mora em Parma, explicou a situação das famílias de Bergamo, considerada a cidade mais violentada pela pandemia em todo o mundo.

É um luto duplo, morrer duas vezes, não poder ver pela última vez alguém que foi querido, não realizar completamente a morte de alguém que você sabe que faleceu, mas não poder fazer nada. Essas pessoas morreram em completa solidão, sem o afeto dos queridos, tendo como companhia somente os outros doentes”.

Em todo o mundo, o panorama social que se desenvolveu durante a tentativa de controle da disseminação do novo Coronavirus foi caracterizado pelo irreparável trauma da inesperada perda de familiares devido as repercussões clínicas e sistêmicas da infecção viral.

O abalo psicológico certamente agravou-se com a imposição sanitária das novas medidas de controle social, como velórios restritos e com número mínimo de pessoas, caixões lacrados pelo risco da contaminação, fotos do caixão enviadas a parentes distantes antes da cremação, fronteiras intercontinentais fechadas não permitindo a despedida ao ente querido e o sepultamento coletivo.

Para a maioria dos empresários e dos trabalhadores em geral, o trauma imediato da falência organizacional, a aceitação sem questionamentos do fechamento de seus estabelecimentos, o sofrimento silencioso pela destruição dos sonhos e das conquistas familiares, o convívio próximo com o desemprego e a instabilidade econômica, a necessidade de reinserção no competitivo mercado de trabalho ainda em estagnação e a adaptação à nova realidade global sob a ótica da pandemia ainda sem controle vacinal aumentaram a incidência de sintomas de ansiedade e de depressão, depressão doença e comportamentos suicidas.

Para os profissionais da saúde que atuam incansavelmente na linha de frente do combate ao novo Coronavírus, a magnitude da pandemia expõe a fragilidade do ser humano frente ao inimigo oculto. Além do impacto social e financeiro, a responsabilidade de evoluir, medicar, socorrer e realizar procedimentos em pacientes infectados, apesar das orientações constantes de isolamento social e restrição domiciliar, impõe conflitos internos diários a estes profissionais.

Quantos médicos provavelmente contraíram o vírus durante o exercício de sua profissão e o transmitiram aos seus familiares?

Quantos profissionais foram desafiados a lutar contra a doença e durante o exercício de sua profissão desempenhar o papel de médico ou cuidador dos seus filhos, pais ou avós? Quantos profissionais apresentaram a temida e constrangedora sensação de desenvolver sintomas da doença após sua jornada de trabalho? Infelizmente, quantos agentes da saúde tiveram seu ciclo de vida precocemente encerrados durante a luta diuturna contra o inimigo viral?

O esgotamento profissional e social, característica marcante da Síndrome de Burnout, é inevitável durante este momento difícil em que vivemos. Apesar das evidências recentes sobre a redução do número de casos confirmados e do número de óbitos, dos sinais de reaquecimento econômico e da provável reabertura comercial, muitas pessoas ainda sofrerão as consequências psicológicas da pandemia, em decorrência do ainda obscuro período pós-pandemia.

 

*Doutor em Pesquisa em Cirurgia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Pauloe coordenador do curso de Medicina da União das Faculdades dos Grandes Lagos (Unilago)

 

Artigo anteriorFim de semana registra 274 casos e dez mortes por Covid-19 em Rio Preto
Próximo artigoDiversão em dobro no Barretos Country: suas moedas valem um combo família
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.