Georgina Business Park entrega torres comerciais para investidores

0
193
Georgina Business Park

 

Georgina Business Park- Hdauff entrega oficialmente no dia 18 de outubro, terça-feira,  as três torres da primeira fase do Georgina.  Com 308 unidades comerciais, a entrega acontece  30 dias antes do prazo previsto.

Os proprietários receberão as chaves das salas na assembleia de instalação de condomínio.

O projeto idealizado em uma  área de 130.000 m² conta com 12 torres, com salas de 43 m² a 588 m², estacionamento para 2.671 carros Tem, também,  um hotel e um residencial com 74 apartamentos. Na parte central do empreendimento, está localizada uma praça, com mix de lojas e uma vila gourmet. O empreendimento tem investidores de toda a região.  www.hdauff.com.br

O projeto inovador do Georgina Business Park integra a ocupação ao meio ambiente. Concebido para “abraçar” a vegetação já existente no grande terreno.  O empreendimento de uso misto agregou cuidado estético a propostas sustentáveis. Ao lado dos prédios  sobem jabuticabeiras centenárias que foram preservadas pelo formato das torres.

 

Torres do Georgina Business Park

Segundo o diretor-presidente, Rafael Hawilla, o Georgina Business Park foi idealizado para ser visto como um novo ponto de referência em São José do Rio Preto.  O empreendimento segue um estilo arquitetônico modernista. As torres comerciais da primeira fase do empreendimento – Madrid, Milan e Zurich – foram construídas com cinco a sete pavimentos, com pé-direito variado (comuns a triplos). Essa projeção criou uma grande área de circulação coberta para os pedestres.

A Torre Madrid é composta por dois blocos interligados, com 136 unidades cada. Em formato Z, a torre é interligada por um grande pórtico, de 33 metros, lindeiro às jabuticabeiras. A Torre Milan, com 110 unidades em dois blocos, tem como diferencial as salas de 200 m² com vista panorâmica para todos os lados do empreendimento. Já na Zurich, são 62 unidades, entre elas uma sala com terraço panorâmico.

No térreo das torres, áreas comerciais de 44,66 a 300 m² completam a estrutura. Com varandas abertas, estes locais também foram projetados para a convivência e o lazer.

Estrategicamente no centro do empreendimento, fica a recepção central de entrada das torres. O visitante se cadastra para ingressar em cada torre. Por todos os blocos, sistema de câmeras e monitoramento 24h.

A circulação de carros é outro destaque do Georgina Business Park.   Será feita pelo entorno e subsolos (estacionamento), com grandes vias que ligam os setores, dando mais segurança e prioridade a circulação de pedestres.

Áreas de convivência

A integração com a natureza vem desde a concepção do projeto arquitetônico do Georgina Business Park. As áreas de convivência e o paisagismo ocupam 60% do empreendimento.  Isto demonstra a relação com a natureza proposta pela arquitetura bioclimática, que ajuda a contornar a claridade intensa e as altas temperaturas da região.

Foram mantidas 48 árvores nativas na construção do empreendimento.  Entre elas  estão: Pau Ferro, Guariroba, Farinha Seca, Jerivá, Sabão de Soldado e Jabuticabeiras centenárias. Além disso, foram agregadas espécies como Pau Formiga, Pata de Vaca, Jacarandá, Pau Brasil e Cassia Aleluia, entre outras, plantadas nos estacionamentos. Esta diversidade proporcionará floradas em épocas diferentes do ano.

A instalação dos lagos (espelhos d’água) também auxilia no microclima e contribui para amenizar a sensação térmica. A forração dos jardins é feita com herbáceas de pequeno, médio e grande porte.

 

Artigo anteriorZero Grau traz Bee Gees One Cover para Rio Preto
Próximo artigoFamerp promove 13º Congresso de Iniciação Científica
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.