Ibilce envia documentos da ditadura para Comissão da Verdade da Unesp

0
487

1o de abril de 1964. Às 9:30 da manhã o Instituto Isolado de Educação de São José do Rio Preto, antiga Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (Fafi), futuro Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (Ibilce), sofreu intervenção do Estado, tornando-se, assim, a primeira faculdade do Brasil a sentir a força da mudança que o povo brasileiro enfrentaria pelos 20 anos seguintes.

Na próxima semana, ao completar 50 anos do golpe, e dessa intervenção, o Ibilce encaminha todo o processo judicial e outros documentos correlatos para a recém-criada Comissão da Verdade da Unesp, presidida pela professora Ana Maria Martinez Corrêa, cuja posse acontecerá no próximo dia 31 de março, às 17h, na Reitoria da Unesp, em São Paulo.

A Comissão da Verdade da Unesp, tal qual as demais formadas em outras universidades, busca identificar e esclarecer as eventuais violações aos direitos humanos ocorridas no interior da Instituição; recomendar propostas de reparação aos atingidos; organizar entrevistas e testemunhos; mapear as iniciativas e pesquisas já realizadas.

O resultado será a redação de um relatório geral, a ser anexado ao da Comissão Nacional da Verdade. Essa documentação comporá o acervo criado para este fim no Arquivo Nacional do Rio de Janeiro, a partir de dezembro de 2014.

Sobre a intervenção na antiga Fafi

De acordo com Maria Aparecida Blaz Vasques Amorim, autora do trabalho “No interior… Ditadura Militar e Ensino Superior (Fafi/Unesp)”, dissertação de mestrado defendida no Programa de Pós-Graduação em História Social da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (USP), em 1976, com a criação da Unesp, houve a unificação de 14 Institutos Isolados de Ensino Superior do Estado de São Paulo, institutos que, de acordo com Anna Maria Martinez Corrêa (2006), haviam sido criados de maneira desordenada.

Durante a realização de seu trabalho, Maria Aparecida teve acesso a todos os documentos históricos sobre a intervenção acontecida em 1o de abril de 1964 pertencentes à Biblioteca do Ibilce. Uma pequena amostra do material consultado consta como anexo de seu trabalho, que está disponível para download na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP (http://goo.gl/F2SXiS).

 Sobre a Comissão da Verdade

A partir da criação da Comissão Nacional da Verdade pela Presidência da República, em maio de 2012, um conjunto de comissões – universitárias, governos de Estado, câmaras legislativas, entidades de classe, entre outros – foram se formando pelo país. Todas trabalham com a perspectiva de apurar as consequências do regime ditatorial instalado no Brasil.

 

Artigo anteriorNicole Balhs e Carol Narizinho fotografam com looks Limone Modas, outono inverno 2014
Próximo artigoRenato Martins é homenageado no último evento como diretor da APAS
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.