Pipas causam 469 interrupções de energia na região de Rio Preto em 2021

0
50
Compartilhe

Um levantamento da CPFL Energia, em todas as cidades atendidas pela CPFL Paulista, identificou crescimento de 5.17% nas ocorrências de pipas na rede elétrica. Esse número passou de 5.066 em 2020 para 5.328, em 2021.  

Apenas nas cidades da região de São José do Rio Preto, os casos chegaram a 469 no último ano, mostrando que o isolamento social não impediu a brincadeira de pipas e, consequentemente, transtornos à rede elétrica.  

Outro fato importante é que os casos não se concentraram durante os meses de férias escolares,  como em outros anos, e tiveram números expressivos também em abril, maio, junho, agosto e setembro. 
 
  Entre as 10 cidades com mais ocorrências na região de São José do Rio Preto em 2021, o município lidera o ranking com 318 casos, seguido de Mirassol com 42 e Guapiaçu com 17 ocorrências  

Confira as 10 cidades da região de São José do Rio Preto com mais interrupções causadas por pipas na rede elétrica em 2020 e 2021:    MUNICÍPIO 2020 2021
SÃO JOSÉ DO RIO PRETO 227 318
MIRASSOL 14 42
GUAPIAÇU 7 17
BADY BASSITT 4 14
JOSÉ BONIFÁCIO 10 11
NOVA GRANADA 12 11
CEDRAL 3 8
SANTA ADÉLIA 3 8
BÁLSAMO 0 6
MONTE APRAZÍVEL 6 6  

Segurança sempre

Por meio da campanha Guardião da Vida, a CPFL Paulista prioriza a segurança com a população e traz dicas de conscientização constantemente para evitar acidentes com a rede elétrica. Entre os assuntos, estão os perigos de brincadeiras com pipas próximo às subestações e às redes elétricas.
A CPFL reforça que as pessoas nunca busquem as pipas caídas em locais com equipamentos de energia, que podem causar acidentes e até morte. 
  Um brinquedo inofensivo que traz transtornos quando utilizado de forma inadequada, podendo provocar acidentes graves e até fatais e corte no fornecimento de energia. Muitas pipas ficam enroscadas nos fios e causam interrupções nos meses seguintes.
Isso ocorre porque a linha e a estrutura da pipa, enrolada nos cabos elétricos, se tornam condutoras de energia quando chove.   Os desligamentos e os acidentes causados pelas pipas podem ser evitados com alguns cuidados simples, indicados pela campanha
Guardião da Vida.

É importante escolher um local longe da fiação elétrica, como campos abertos e parques, fugindo do entorno de rodovias ou das avenidas de intenso movimento, onde também podem acontecer atropelamentos.    Não tente resgatar uma pipa enroscada na rede elétrica, pois além de provocar desligamentos no fornecimento de energia pode causar acidentes, com vítimas fatais. O ideal é soltar pipas longe da rede elétrica.
Se acontecer de o brinquedo ficar preso em um fio, a melhor atitude é dá-lo como perdido.   Além disso, vale destacar que no estado de São Paulo é crime de acordo com a lei estadual nº 12.192, de 2006, usar o cerol ou a chamada “linha chilena”.
Por conduzirem eletricidade, em contato com a rede elétrica, aumentam o risco de choques. Por conta do seu poder cortante, essas linhas podem romper os cabos da rede e provocar curtos-circuitos, além de colocar em risco a vida de ciclistas e motociclistas. 

  Confira dez dicas básicas da CPFL Paulista para uma brincadeira mais segura:  

Empine pipas longe de rede elétrica, em locais onde não exista nenhum tipo de cabo de energia; Dê preferência a espaços abertos como praças, parques e campos de futebol para usar o brinquedo; Evite também soltar pipas em canteiros centrais de ruas, avenidas ou rodovias, locais onde existe fluxo de veículos; Nunca use cerol ou a linha “chilena”, eles são proibidos por lei (Lei Estadual – Nº 12.192, de 2006); Evite também as “rabiolas”, pois elas enroscam nos fios elétricos, desligando o sistema, podendo provocar choques elétricos, muitas vezes fatais; Não utilizar papel alumínio na confecção da pipa, pois é perigoso, este material pode provocar curtos-circuitos; Caso a pipa enrosque nos fios, não tente soltá-la. O melhor a fazer é desistir do brinquedo;   Nunca tente resgatar ou remover uma pipa com canos, bambus, ou laçar o brinquedo na rede elétrica com uso de linhas.

Essas atitudes podem representar sério risco à vida; Não solte pipas em dias de chuva, com incidência de descargas atmosféricas (raios).
Ela funciona como pára-raios, conduzindo energia; Não se deve subir nas lajes das casas para empinar a pipa. Nesse caso, além de se aproximar da rede elétrica, qualquer distração pode causar uma queda.   Confira essas e outras dicas em: https://guardiaodavida.com.br/.  

Em caso de falta de energia, ou acidente com uma pipa e a rede elétrica, entre em contato com os canais de atendimento da CPFL Paulista:   Site: www.cpfl.com.br   App: CPFL Energia    WhatsApp: (19) 99908-8888   SMS: 27351   Call Center: 0800 010 1010

Compartilhe
Artigo anteriorSESC RIO PRETO RECEBE SHOWS DE MARINA LIMA E GRAÇA CUNHA
Próximo artigoSenac Rio Preto oferece mais de 200 bolsas para cursos técnicos
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.