Feijoada tem renda revertida para Serviço Social São Judas Tadeu

0
53

A tradicional Festa das Nações teve sua edição cancelada devido à pandemia. Mas, para a data não passar despercebida, os voluntários da Barraca Árabe assumiram a captação de recursos para a manutenção da entidade a partir da produção de feijoada.

Lideranças das demais barracas se mobilizaram para a venda dos convites . Estão realizando pedágios em condomínios da cidade para a venda dos kits, que serão entregues neste domingo, dia 16, na sede do Serviço Social São Judas Tadeu, das 11h às 14h, em formato drive-thru.

Toda a renda arrecadada será revertida para a manutenção do Serviço Social São Judas Tadeu.

“Os recursos serão empregados na manutenção da entidade. pois,  mesmo com a suspensão do atendimento presencial dos educandos há uma despesa fixa mensal. A Feijoada é a alternativa que encontramos para suprir parte da falta dos recursos que arrecadamos com a Festa das Nações”, afirmou Junior Villanova, que coordena a Festa das Nações.

Junto com o comércio local, os ex-alunos da instituição estão arrecadando itens para a confecção do prato que será preparado pelo mestre Casinha.

As embalagens servirão duas pessoas e, além da feijoada, arroz, farofa, vinagrete, couve, torresmo, laranja e doce de abóbora completarão o kit.

Os convites custam R$ 50 e os interessados em adquirir o kit devem ir até a sede do Serviço Social São Judas Tadeu. O pagamento pode ser feito com cartão de crédito.

 A entrega da Feijoada acontece no domingo, dia 16, na sede do Serviço Social São Judas Tadeu. A retirada dos kits será na modalidade drive-thru, das 11h às 14h, na sede da entidade.

Rua José Bonifácio, 1598 – Jd. Roseiral, Rio Preto

 

Artigo anteriorRio Preto registra aumento de 301 casos e 11 mortes por covid-19
Próximo artigoAprenda a preparar uma Brusqueta perfeita
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.