Festival de Corais de Catanduva terá 250 vozes no palco no concerto final

0
37
Festival de Corais de Catanduva terá 250 vozes no palco no concerto final
Festival de Corais de Catanduva terá 250 vozes no palco no concerto final

A 9ª edição do Festival de Corais de Catanduva – FESCC começa neste feriado da Independência (quarta, 7 de setembro) e vai até sábado (10), no palco do Clube de Tênis de Catanduva, com apresentações e masterclasses gratuitos, além do tradicional concerto final, que este ano deve reunir 250 vozes – o número de participantes inscritos até o momento. Os convites gratuitos precisam ser retirados antecipadamente no Conservatório Santa Cecília.

Considerado o maior festival de canto coral do interior de São Paulo, o FESCC tem como diferencial formar um grande coral, com todos os participantes cantando juntos um repertório único. Marcado, este ano, para as 19h30 do sábado, o concerto final demanda sempre muito ensaio, preparação e dedicação de todos os envolvidos, segundo Marcela Milani, coordenadora do evento.

“Este ano, além das crianças e jovens do projeto de formação do FESCC, receberemos também corais do Paraná e de São Paulo capital”, ressalta.

O projeto a que Marcela se refere proporciona aulas gratuitas de canto coral para crianças e adolescentes de Catanduva e cidades vizinhas, com incentivo da Secretaria Especial de Cultura do Ministério do Turismo do Governo Federal.

De acordo com a coordenadora, foi com grande alegria e muita dedicação que a equipe se uniu para realizar a primeira edição inteiramente presencial do festival após dois anos de pandemia – em 2020 e 2021, o evento teve que assumir um formato híbrido, com uma parte realizada on-line e outra presencialmente em formato reduzido.

“Estamos muito orgulhosas de poder promover esse evento em Catanduva em seu formato original, com as masterclasses e o concerto final, confirmando que o FESCC se mantém como um dos eventos mais importantes do canto coral no Brasil”, declara.

Personalidades do cenário de canto coral já confirmaram presença no evento deste ano, como Eduardo Fernandes, diretor do Coral da USP (Coralusp); a pianista Juliana Ripke, que atua na Orquestra Sinfônica de São Paulo (Osesp); a regente Patricia Costa, que já ganhou o festival internacional Suma Cum Laude International Youth Music Festival; Reynaldo Puebla, diretor cênico argentino; Ângelo Fernandes, professor da Unicamp; e Silmara Drezza, coordenadora pedagógica dos corais do Instituto Baccarelli.

“Na banda teremos também dois músicos excepcionais: Ari Colares, na percussão, e Paulo Milani, na bateria, que também ministram masterclasses sobre como aprimorar técnica e conceitos”, informa Marcela.

“Nossa expectativa é realizar um evento grandioso, com mil pessoas na plateia assistindo a um espetáculo de alta performance”, completa.

Sobre o FESCC

O FESCC tem por objetivo elevar o conhecimento e enobrecer o ser humano através do canto coral, em Catanduva e em todo o Estado de São Paulo, contribuindo para o refinamento da cultura brasileira. O festival não é competitivo. Em vez de premiação, visa a desenvolver a cultura local, estimular a prática do canto coral, colaborar na formação de novos grupos, incentivar a manutenção dos já existentes e democratizar o acesso à cultura no país. Esta edição é realizada através da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, do Governo do Estado de São Paulo e conta com patrocínio oficial de Tietê Agroindustrial e Itaipu Transformadores

Artigo anteriorExpoflora deve injetar R$ 200 milhões na economia da região de Holambra
Próximo artigoGrupo Summit assume hotel em Barra Mansa (RJ)
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.