Frida Kahlo é tema de atividades no Sesc Rio Preto

0
618

Frida Kahlo- Oficina, bate-papo, instalação, entre outras atividades evidenciam vida e obra de uma das maiores pintoras mexicanas

Os acontecimentos trágicos que fizeram parte da vida de Frida Kahlo, como aborto, traições e as dores que sentia por ter um corpo debilitado, estão todos representados em suas pinturas. Sua obra única e cheia de simbolismos marcou a história da arte e a tornou uma das maiores pintoras mexicanas. Em agosto, o Sesc convida o público a conhecer um pouco da vida e obra de Frida, com inspiração nas cores, paixões e ideias da artista.

Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderon nasceu em 6 de julho de 1907, em Coyoacan, no México. Em 1938, Frida foi descoberta pelo poeta francês André Breton, que ficou deslumbrado com suas pinturas surrealistas. Breton arranjou para a pintora sua primeira exposição individual, na galeria de Julien Levy, em Nova York. Assim, formou-se o mito Frida Kahlo.
Com a vida permeada por acontecimentos trágicos, à frente do seu tempo, Frida enfrentou estigmas, preconceitos e hoje, mais de 60 anos após a sua morte, segue influenciando estilos e maneiras de encarar a vida, mundo afora. Por toda sua importância, o especial Frida: Ideias e Paixões, voltado para o público idoso, apresenta a história da pintora por meio de diversas atividades.
Uma delas é a oficina “A Mi Me Gusta Comer: Gastronomia Mexicana”, no dia 12, sexta, às 14h. O chef de cozinha Diego Costa ensina a fazer sour cream, guacamole e mole poblano, pratos típicos do México, país de Frida Kahlo. Para participar é preciso se inscrever pelo e-mail inscricao@riopreto.sescsp.org.br ou na Central de Atendimento do Sesc.
Outro destaque é a exibição do filme “Frida”, dirigido por Julie Taymor, no dia 19, sexta, às 14h. O longa mostra o agitado casamento com seu companheiro nas artes, Diego Rivera, além de como enfrentou os diversos problemas de saúde, conseguindo, ainda assim, produzir uma vasta e expressiva obra artística. Após a exibição, as integrantes do Coletivo Não Me Kahlo contam como a vida e obra de Frida Kahlo influenciam, até hoje, movimentos feministas e de empoderamento feminino ao redor do mundo.  A retirada ingressos será a partir das 13h15.

A programação também conta com oficina nos dias 17, 24 e 31, quartas-feiras, para confecção de uma boneca de pano tendo como referência estética a artista, como cultivar em casa a espécie de cacto Flor de Maio, no dia 19, sexta, além de uma instalação artística no dia 26, sexta, onde o público poderá vivenciar um pouco da rotina de Frida Kahlo, por meio de alguns símbolos que marcaram a sua vida artística e cotidiana, como um jardim composto por elementos e cores inspirados na famosa “Casa Azul”, onde Frida viveu durante toda a sua vida.

As atividades são gratuitas.

Artigo anteriorIguatemi Rio Preto traz oficina de massinha Play-Doh
Próximo artigoBaile Funk Cosplay reúne nerds e funkeiros
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.