Funfarme, Famerp e Lucy Montoro estudam sequelas em pacientes pós-Covid 19

0
103

A Funfarme/Famerp, através da Unidade do Instituto de Reabilitação Lucy Montoro, integra um grupo de cinco instituições que vão estudar as sequelas mentais, físicas e psíquicas em pacientes que se curaram da Covid-19.

Os coordenadores do estudo pretendem iniciar em, no máximo, 15 dias o estudo. As conclusões serão publicadas em revista científica, colaborando para nortear o tratamento destes pacientes em todo o Brasil.

O Observatório de Sequelas da Covid-19 reúne, além do Lucy Montoro de Rio Preto, os centros de recuperação ligados à Faculdade de Medicina da Santa Casa de São Paulo, USP (Universidade de São Paulo), UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e UFRGS (Universidade Federal do Rio Grande do Sul). 

Segundo a médica fisiatra Regina Chueire, diretora do Lucy Montoro de Rio Preto, a intenção é que de 30 a 50 pacientes sejam avaliados e acompanhados por equipes multidisciplinares das cinco instituições .

Sequelas

Segundo a fisiatra, entre as muitas sequelas relatadas por profissionais de saúde estão fadiga, distúrbios respiratórios e de memória, dores neurológicas, limitações motoras momentâneas, piora das doenças crônicas, sarcopenia , deformidades, cãibras e até amputações. As vítimas que ficam na UTI são as mais afetadas.

A triagem das pessoas será feita por meio de telemedicina e o atendimento será presencial. Segundo a diretora do Lucy Montoro, a unidade irá envolver pacientes da região em que atua, compreendendo cerca de 200 cidades. 

As pessoas interessadas em participar do estudo podem também entrar em contato pelo celular/whatsapp 17 99638-1231, a partir do dia 22 de julho.

Artigo anteriorFestival do Folclore de Olímpia “Digital”  anuncia detalhes sobre a edição 2020
Próximo artigoRio tem 269 casos positivos e 10 novas mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.