Olímpia – Capital Nacional do Folclore realiza 54ª edição do Festival do Folclore

0
65
Olímpia - Capital Nacional do Folclore realiza 54ª edição do Festival do Folclore
Olímpia - Capital Nacional do Folclore realiza 54ª edição do Festival do Folclore

Entre os dias 4 e 12 de agosto de 2018, a Estância Turística de Olímpia  realiza do 54ª edição do Festival do Folclore.

A programação do evento inclui danças, palestras, gincana e   oficinas. Tem, também,  exposição de artesanato, culinária brasileira, desfile, apresentações em escolas, e peregrinações pela cidade. A entrada é gratuita.

O palco da festa é o Recinto de Exposições e Praça de Atividades Folclóricas e Turísticas “Professor José Sant’anna”.  O local leva o nome do idealizador do evento.  E é popularmente conhecido como Recinto do Folclore.

O  festival é ainda mais especial porque é o primeiro ano que Olímpia celebra o título de Capital Nacional do Folclore.  O município recebeu a chancela presidencial em dezembro de 2017, instituída pela Lei Federal Nº 13.566/2017.

O cartaz oficial da festa traz o Terno de Congada Chapéu de Fitas. É um dos grupos folclóricos mais tradicionais de Olímpia.  Tem como destaque seu fundador e coordenador, Capitão José Ferreira.

 

O espetáculo de abertura acontece no dia 4 de agosto. Promete surpreender e encantar o público presente com o tema: Festa de um povo “Cabe o mundo inteiro no balaio brasileiro”. Mais de 300 crianças da rede municipal e artistas convidados estão ensaiando para a apresentação.

Durante nove dias de festa, 54 grupos folclóricos e parafolclóricos, sendo 14 inéditos, de 17 estados brasileiros, se apresentam . A expectativa é de  receber cerca de 100 mil pessoas. Este ano, o festival tem a participação recorde de 1.800 artistas.

 

Estrutura

Serão realizadas diariamente apresentações noturnas no palco da arena. Esta é a principal atração do festival, com arquibancada disponível para a população. Na parte superior do recinto, os visitantes podem também apreciar diversas opções gastronômicas em dezenas de barracas . Além disso, a estrutura conta com parque de diversões, estacionamento e  barracas com música .

O palco principal tem mil m² de piso, se aproximando mais do público. A segurança também receberá reforço com mais de 2 mil homens  e câmeras de segurança 24 horas. Para o desfile de encerramento, arquibancadas cobertas com capacidade para 2 mil pessoas serão disponibilizadas.

 

Palco B

O Palco B será instalado próximo à entrada principal do Recinto. No 54º Festival, o espaço leva o nome de “Maria Jesus de Miranda”. É homenagem em vida à grande amiga e colaborada do professor José Sant’anna e ex-coordenadora do Museu de História e Folclore “Maria Olímpia”. O palco alternativo terá programação noturna de danças de 4 a 11 de agosto .

Pavilhão Cultural e Turístico

Sob a coordenação da secretaria de Turismo, é voltado à exposição e comercialização de artesanato local, regional e de outros Estados. No total, serão 30 estandes de artesãos. Além de um espaço onde será promovida oficina de trançado estrela, técnica artesanal descoberta e desenvolvida por um grupo de mulheres de Olímpia. O local também terá um espaço para o Arquivo Público Municipal com exposições e informações sobre a história da cidade e do festival.

 

Minifestival

O Minifestival é um evento organizado pela secretaria de Educação. Tem apresentações de alunos da rede municipal de ensino que representam as danças de todas as regiões do país. É aberto ao público e conta com participação e interação dos grupos visitantes. Já a Gincana de Brinquedos revive os jogos e brincadeiras infantis antigas, proporcionando às crianças e adolescentes o regaste e a vivência da tradição. Entre as brincadeiras estão: bétia, corrida de saco, amarelinha, bito, bolinha de gude, entre outras.

Seminário de Estudos

O Seminário de Estudos é constituído por uma série de palestras. Ministradas por renomados folclorólogos, tem como objetivo ampliar o conhecimento sobre o folclore, com explanações teóricas e práticas. Entre uma palestra e outra, crianças da rede municipal de ensino apresentam danças folclóricas.

 

Folclore na Rua

As festividades também se estendem para além dos limites da Praça de Atividades . Os grupos participantes invadem as ruas.  A tradicional “Peregrinação” faz apresentações e interage com a comunidade.

A Igreja Matriz de São João Batista também recebe a festa com uma missa especial em Ação de Graças. A celebração é realizada no primeiro domingo, dia 5, com a presença dos grupos, violeiros, folias de reis, muita dança e animação. Uma Missa Sertaneja também será realizada pela primeira vez no último dia da festa, antes do desfile.

A Casa da Cultura será outro espaço público a fazer parte do festival.  Sedia a Rodada Cultural, novidade este ano que tem a proposta de promover o encontro de dois grupos de regiões distintas. O objetivo é fomentar a cultura popular, através da troca de experiências, danças, vestimentas e instrumentos. Após a atividade, haverá um café com pensadores e estudiosos locais para um bate papo sobre o folclore.

 

Grupos participantes

As cinco regiões brasileiras são presenças confirmadas. O público poderá conferir apresentações de norte a sul e leste a oeste do país em um só lugar. São 36 grupos folclóricos e 18 parafolclóricos.

Do Rio Grande do Sul, virão dois grupos, sendo o inédito Conjunto Folclórico Internacional “Os Gaúchos” (Porto Alegre) e o CTG Lalau Miranda (Passo Fundo). Ainda do Sul, Santa Catarina estará representada pela Associação Folclórica Boi de Mamão do Pantanal (Florianópolis).  E o Paraná vem com o Grupo Universitário de Danças Parafolclóricas Fogança (Maringá).

Do Centro-Oeste do país, Goiás trará o inédito Moçambique Mamãe do Rosário (Catalão). E o Mato Grosso será marcado pela estreia do Grupo de Siriri Flor de Atalaia (Cuiabá).

Do Norte, destaque para o Estado do Pará, que terá três agremiações: Grupo Parafolclórico Frutos do Pará (Belém do Pará), Associação Folclórica Paramazon (Belém do Pará) e Boi de Máscaras Faceiro (São Caetano de Odivelas).

O Nordeste é uma das regiões com maior participação. Do Maranhão, o Boi de Nina Rodrigues (São Luís) vem pela primeira vez. Além da já conhecida Companhia Folclórica e Cultural Raízes da Ilha “Baile de Caixa” (São Luís). Do Ceará, vem Companhia de Ritmos e Danças Populares “CORDAPES” (Fortaleza). O Rio Grande do Norte traz os potiguares Grupo Parafolclórico Raízes de Ouro (Passa e Fica), que é inédito, e o Boi Calema Pintadinho (São Gonçalo do Amarante).

Ainda no Nordeste, a Paraíba será representada pelo Balé Folclórico Sisais (Pocinhos) e pelo Grupo de Cultura Nativa Tropeiros da Borborema (Campina Grande). Pernambuco terá o “Papanguarte” Balé Popular (Bezerros) e a estreia da Nação do Maracatu Porto Rico (Recife). Avançando pela região, Alagoas estará presente com o Grupo Cultural Xique Xique (Maceió). Já Sergipe vem com três representantes: Grupo Folclórico Parafusos (Lagarto), Grupo Folclórico Taieiras (Lagarto) e Grupo Folclórico Batalhão de Bacarmateiros de Carmópolis (Carmópolis). Por fim, a Bahia traz o inédito Coletivo CANDACE de Danças Populares Contemporâneas (Salvador).

Da região Sudeste, o Espírito Santo marcará presença com a inédita Banda de Congo Beatos de São Benedito (Vila Velha). E Minas Gerais terá quatro grupos, o já conhecido Congo Prata (Uberlândia). E três que vem pela primeira vez: Grupo Filhos de Itamogi (Itamogi), Terno de Congo Sabiá (São Sebastião do Paraíso) e Congo Libertação (Iturama).

O Estado sede do Festival, São Paulo, terá 26 grupos representantes. São 18 da cidade anfitriã, Olímpia. Três são inéditos: Cia de Reis Renascer de Cristo (Araraquara), Companhia Guia do Oriente Embaixador José Eduardo (Barretos) e Raízes da Cultura Brasileira (Olímpia). Além dos já conhecidos do público: Terno de Sainha Irmãos Paiva (Santo Antônio da Alegria), Fandango de Tamanco Cuitelo (Ribeirão Grande), Associação Folclórica Reisado Sergipano e Bumba Meu Boi (Guarujá), Grupo de Samba Lenço (Mauá), Coral Pequenas Cantoras (São José do Rio Preto), Congada Três Colinas (Franca).

E os olimpienses: Cia de Santos Reis “Magos do Oriente”, Terno de Moçambique “São Benedito”, Grupo Parafolclórico Frutos da Terra, Cia de Santos Reis “Estrela Guia”, Grupo Olimpiense de Danças Parafolclóricas “Cidade Menina Moça” – GODAP, Dança de São Gonçalo, Associação Cultural Anástasis Artes Cênicas & Solidariedade, Cia de Santos Reis “Os Visitantes de Belém”, Guarda de Moçambique Pé de Coroa Nossa Senhora do Rosário, Grupo Folclórico de Danças Afro-brasileiras e Capoeira, Cia de Santos Reis “Lapinha de Belém”, Terno de Congada Chapéu de Fitas

Os Catireiros de Olímpia, Cia de Santos Reis “Filhos de Maria”, Cia de Santos Reis “Os Mensageiros da Paz”, Cia de Santos Reis “Fernandes” e Coral Sertanejo Mensageiros de Cristo.

Tropeiros da Borborema - Paraiba
Tropeiros da Borborema – Paraiba

 

O 54º Festival do Folclore de Olímpia é realizado pela Prefeitura, por meio da secretaria de Cultura. Tem  parceria com a Associação Olimpiense de Defesa do Folclore Brasileiro e do Governo do Estado de São Paulo. O evento tem apoio  do Proac (Incentivo à Cultura do Estado de São Paulo) e da Guarani . Todas as informações sobre a festa, a história e a programação completa do festival estão disponíveis no site www.folcloreolimpia.com.br . E, também, na página oficial no Facebook www.facebook.com/folcloreolimpiaoficial/.