Construção civil terá desafios para retomada em Rio Preto

0
36

A paralisação temporária da construção civil em Rio Preto, imposta pelo lockdown, trouxe um cenário incerto para o setor que tem sido um dos pilares de sustentação da economia durante a pandemia. Mesmo depois da Instrução Normativa publicada pela Prefeitura no último dia 23 de março, autorizando o retorno parcial, e da substituição do lockdown pela fase emergencial, ainda há uma série de desafios a serem resolvidos que podem penalizar severamente a indústria a curto e médio prazo, como explica o diretor da Regional de Rio Preto do SindusCon-SP, o engenheiro Rafael Luis Coelho.

Segundo Coelho, apesar da flexibilização, será preciso mobilizar novamente equipes, máquinas, equipamentos e materiais que têm logísticas distintas.

“A indústria da construção civil é como um transatlântico: não é simples de mover. Haverá casos de obras paralisadas que poderão exigir semanas para a remobilização, pois muitos operários e empresas terceirizadas foram trabalhar em outras cidades, cujo trabalho estava liberado. Parte dessas equipes certamente não retornará aos canteiros de obra, exigindo novos recrutamentos, seleção e contratação”, explica o diretor regional do SindusCon-SP.

A construção civil ficou totalmente parada em Rio Preto entre os dias 17 e 23 de março, após a publicação do Decreto Municipal 18.861/21, que estabeleceu lockdown no município.

Segundo o SindusCon-SP, a medida resultou na paralisação de dezenas de obras na cidade, mas esse impacto pode ser ainda maior, uma vez que ela abrangeu não apenas as construtoras, mas também obras particulares.

A Normativa autorizou a volta dos trabalhadores apenas em obras definidas como emergenciais. A emergencialidade deveria ser justificada por declaração do engenheiro responsável e fixada no local para apresentação à fiscalização. As construtoras deveriam ainda fornecer o transporte aos trabalhadores que não tivessem veículo próprio, pois não seria permitido uso do transporte coletivo.

De acordo com Coelho, a retomada das atividades na construção civil em Rio Preto foi resultado das propostas e compromissos firmados pelo Sinduscon-SP com a Prefeitura.

Negociações

Desde a publicação do decreto, o SindusCon-SP, por meio de sua diretoria em Rio Preto, abriu o canal de diálogo com a Prefeitura, apresentando pesquisas e dados científicos que comprovam o baixo índice de transmissão do novo coronavírus nos canteiros de obras, graças aos protocolos rígidos de segurança adotados desde o início da pandemia.

O sindicato também demonstrou que a suspensão, se mantida por mais tempo, traria impacto social e econômico imediato para os trabalhadores e suas famílias.

“A paralisação por tempo superior ao transcorrido poria em risco a capacidade do trabalhador conseguir alimentar sua família. Na construção civil, em muitos casos, esse trabalhador depende da remuneração semanal, que é praxe do setor, e não possui reservas financeiras para prover a a si e aos seus. Sem trabalho, o dinheiro dele acaba em questão de dias”, alerta Coelho.

Já em relação às empresas, também há risco de danos irreparáveis, com perda por deterioração de materiais e serviços iniciados, aluguéis usados para alojar equipes de operários e profissionais especializados, custos com desmobilizações de pessoas e máquinas, além de multas e juros de financiamento por atraso nos contratos, entre outros.

Segurança

Considerado serviço essencial, a construção civil não havia paralisado até então nesta pandemia. Intensificando os protocolos de saúde e segurança – que já eram rígidos, dadas as características desta atividade -, o setor tem conseguido evitar grandes ondas de contágio, criando quase que uma blindagem à Covid-19 dentro dos canteiros de obras.

Entre as principais medidas estão higienização de equipamentos, a aferição de temperatura, uso de álcool gel, máscaras e EPIs, horários escalonados de almoço e de uso do vestiário para evitar aglomeração, além de constantes treinamentos e campanhas visando a conscientização.

E o resultado tem aparecido. Segundo os dados mais recentes de pesquisa da Abrainc, realizada entre 17 e 19 de março com 40 das maiores empresas do setor, dos quase 70 mil trabalhadores, apenas 376 haviam sido infectados (0,5%) e seis tiveram de ser internados (1,5% dos infectados).

O número de óbitos na construção civil (14), desde o início da pandemia, é o menor entre todos os setores, correspondendo a 0,02% do número de trabalhadores.

Um outro estudo, conduzido pelo SindusCon-SP junto ao Seconci-SP, intitulado “Conhecendo as ações das construtoras paulistas no combate à Covid-19”, mostrou, em sua última atualização – realizada entre os dias 4 e 10 de março e envolvendo 42 empresas, 531 obras e cerca de 35 mil trabalhadores -, que somente 0,45% dos trabalhadores foram afastados por suspeita da doença, e 0,23% afastados por confirmação da Covid-19.

“Os níveis de contágio por coronavírus dentro dos canteiros de obras são mínimos. Mas com as obras paralisadas os colaboradores perdem essa ‘rede de proteção’, circulam mais, aumentam a chance de contrair a doença e disseminá-la, sobrecarregando ainda mais o sistema de saúde”, alerta Coelho.

Empregos

Apesar da forte desaceleração registrada por vários setores, o que contribuiu para uma retração de 4,1% do PIB em 2020, e uma taxa média anual recorde de 13,5% de desemprego, a construção civil tem ajudado a manter a economia viva, destacando-se como um dos setores que mais têm gerado emprego e renda no País durante a crise.

Dados do CAGED referentes ao número de empregos com carteira assinada criados em fevereiro mostram que a construção civil criou 43.469 vagas, 10,8% do total de postos de trabalho formal registrados no mês passado em todo o País. Em janeiro, esse índice foi de 17%.

Sobre o SindusCon-SP

O SindusCon-SP é a maior associação de empresas da indústria da construção na América Latina. Congrega 850 construtoras associadas e representa as cerca de 50 mil empresas de construção residencial, industrial, comercial, obras de infraestrutura e habitação popular, localizadas no Estado de São Paulo. Tem sede na capital paulista, e representações em nove regionais e uma delegacia nos principais municípios do Interior. A construção paulista representa 27,6% da construção brasileira, que por sua vez equivale a 4% do PIB brasileiro.

Artigo anteriorPrefeitura de Rio Preto prorroga Taxa de Funcionamento para estabelecimentos comerciais
Próximo artigoTereos abre inscrições para programa de estágio 2021
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.