Sandi Hotel aposta em Fazenda Marinha para cultivo de vieiras em Paraty

0
37
Compartilhe

O Pouso da Cajaíba é uma vila caiçara, situada na baía de Paraty (RJ), com costumes tradicionais de pesca e relação com a natureza. Um lugar preservado, de frente para o mar aberto, que cultiva muita história e saberes caiçaras.

Nessa praia remota, o Sandi Hotel apoia a Fazenda Marinha Coquille da Cajaíba, dedicada ao cultivo de vieiras (coquille) e mexilhões, pelas mãos de uma família caiçara, que tem no projeto a fonte de seu sustento.

“São projetos que reforçam o nosso amor e dedicação a Paraty”, diz Sandi Adamiu, proprietário do Sandi Hotel que, em 30 anos de existência, tornou-se um ícone de hospitalidade na Cidade Histórica.

Os frutos do mar colhidos na fazenda Coquille da Cajaíba são servidos no Sandi Hotel. Todas as sextas-feiras, os hóspedes podem experimentar as vieiras frescas, recém-chegadas do mar, à beira da piscina ou no restaurante Pippo. A fazenda abastece com exclusividade o restaurante do hotel e o celebrado Gastromar.

Na fase de implementação da fazenda marinha, em 2021, o hotel estabeleceu uma parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Em visita a Florianópolis, os integrantes do projeto visitaram o laboratório da universidade, referência nacional no assunto, e também fazendas marinhas expoentes como Paraíso das Ostras e Ostravagante.

Parte das sementes das vieiras vêm da Ilha Grande e outra parte da UFSC. “Acabamos de receber um lote de 40 mil sementes da UFSC, para o segundo ciclo de cultivo”, comemora Sandi.

Leque de sabores

As vieiras cultivadas na Coquille da Cajaíba são as chamadas “Pata de Leão”. Levam esse nome por causa do seu tipo de concha grande e alaranjada, com desenho de leque. Por essa razão, elas também são conhecidas como vieiras “leque”, espécie que se distribui pelo oceano Atlântico e se dá bem nos climas tropicais. Além de possuir a carne tenra, suas conchas são bastante usadas para artesanato.

Com um passeio de barco até a fazenda marinha, os visitantes podem conhecer o cultivo das coquilles e a família que vive ali, administrada por Gabriel Junqueira Conceição, sua mulher Talia, e seus três filhos.

O roteiro exclusivo, feito apenas com grupos reduzidos, é promovido pela operadora receptiva Néctar Experience. A agência parceira do Sandi Hotel, customiza, sob demanda, as atividades dos hóspedes em terra e mar.

Na fazenda, uma pequena estrutura foi construída para receber embarcações, além de uma balsa onde acontece parte da vivência. Os visitantes recebem explicações sobre a fazenda e podem conhecer as lanternas, como são chamadas as gaiolas com prateleiras, que ficam submersas e variam de tamanho conforme cada etapa de crescimento das vieiras.

Mais tarde, na balsa, é hora de ver de perto como é feita a seleção dos frutos do mar. Por fim, vem o momento mais esperado, o de abrir as vieiras e finalizar com uma experiência gastronômica.

“Com temperos simples, como maracujá, shoyo e mostarda, fazemos uma degustação criativa e saborosa”, diz Gabriel Toledo, da Néctar Experience.

Para Ana Carolina da Silva Conceição, a Caru, irmã de Gabriel Conceição, também integrante da gestão do projeto, a Fazenda Marinha Coquille da Cajaíba mostra que é possível apoiar um negócio local, de economia solidária, com plano de cultivo sustentável e caiçara, onde a vida marinha incentiva a economia da região. Além da família Conceição há três funcionários da comunidade que aprendem e exercitam o ofício de “maricultor”.

Ela explica que um dos diferenciais das vieiras é que elas são colhidas apenas uma vez por semana, bem cedinho, e logo depois de limpas seguem para Paraty -o que favorece o frescor. “Nossas vieiras passam por um processo cuidadoso para crescer, dar frutos e chegar fresquíssimas à mesa dos clientes”, diz Caru.


Compartilhe
Artigo anterior6 cidades do interior de São Paulo para conhecer no outono
Próximo artigo6 roteiros para desbravar o melhor do Litoral Norte de São Paulo
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.