Quem pode desenvolver trombose venosa profunda? por Prof. Dr. Sthefano Atique Gabriel

0
116

A trombose venosa profunda representa uma doença prevalente em nossa população, muitas vezes não diagnosticada, e pode evoluir para embolia pulmonar.

            A trombose venosa caracteriza-se pela formação de um coágulo de sangue nas veias profundas das pernas, que pode se desprender e entupir a circulação pulmonar.

Histórico familiar, gravidez, pós-parto (puerpério), uso de contraceptivos orais, terapia de reposição hormonal, obesidade, varizes, desidratação, imobilização e neoplasias são fatores de risco associados ao desenvolvimento da trombose venosa profunda.

            Além disso, procedimentos cirúrgicos, tais como cirurgias ortopédicas (próteses de quadril, fêmur e joelho), cirurgias torácicas, bariátricas, de revascularização do miocárdio, plásticas (abdominoplastias) e oncológicas (neoplasias de estômago, pâncreas e próstata) também aumentam o risco de trombose venosa profunda.

            As dores nas pernas e o inchaço são os principais sintomas da trombose venosa profunda. Em situações mais graves, o paciente pode apresentar dificuldade de locomoção, muitas vezes “mancando”.

É importante que o paciente valorize seus sintomas e procure o médico especialista. O uso inadvertido de analgésicos e anti-inflamatórios promove um alívio momentâneo do quadro doloroso, porém não impede a evolução da trombose para a embolia pulmonar.

O ultrassom Doppler das veias das pernas constitui o melhor exame para confirmar o diagnóstico da trombose venosa profunda. É um exame não invasivo, que não utiliza contraste e não emite radiação. Por ser um exame seguro e eficaz, qualquer paciente que apresente sintomas sugestivo de trombose venosa profunda pode realizá-lo.

Além disso, é importante que todo paciente que for submetido a um procedimento cirúrgico faça a prevenção da trombose venosa profunda. Deambulação precoce, uso de meias elásticas anti trombos, terapia compressiva intermitente durante o ato operatório e medicações anticoagulantes representam medidas profiláticas na prevenção da trombose venosa profunda. Na dúvida, procure o cirurgião vascular.

 

*Doutor em Pesquisa em Cirurgia pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, especialista nas áreas de Cirurgia Vascular, Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular e coordenador do curso de Medicina da União das Faculdades dos Grandes Lagos (Unilago)

Artigo anteriorBella Capri é eleita melhor franquia no Prêmio Líderes Regionais pelo segundo ano consecutivo
Próximo artigoPlaza Avenida Shopping promove Carreata de Natal neste sábado, dia 21
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.