Coleta seletiva é ampliada para região Norte em Rio Preto

0
15
Coleta seletiva operada pela Cooperlagos - Marcos Morelli (1)

A coleta seletiva de materiais recicláveis em Rio Preto foi ampliada . Desde setembro de 2020, os bairros Jardim Belo Horizonte, Macedo Teles, Jardim Vetorasso, Parque do Sol, Santa Angela, Jardim Los Angeles, Jardim das Laranjeiras e Eldorado, todos na região Norte da cidade, passaram a contar com coleta domiciliar porta a porta. 

Em quatro meses, 56 toneladas do que comumente é chamado de ‘lixo’ deixou de ir para o aterro sanitário e foi processado e comercializado na cadeia de reciclagem, que aumenta o ciclo de vida dos materiais, reduz os impactos no meio ambiente e gera trabalho e renda para parte da população economicamente fragilizada. 

Sete coletores percorrem as ruas desses bairros em dias determinados da semana e, casa a casa, recolhem papel, papelão, vidro, plástico, metal, isopor e eletrônicos. O material recolhido nas rotas é levado de caminhão até os Pontos de Apoio do Jardim Gabriela/Anna Angélica e Jardim Atlântica, onde são triados e encaminhado à cooperativa de reciclagem.

“A modernização dos Pontos de Apoio ocorrida anteriormente foi fundamental para que o município tivesse condições de ampliar a coleta seletiva. Estruturados e organizados, viabilizam uma solução integral na destinação dos resíduos secos, um processo que vai da conscientização da comunidade para separar os materiais, passando pela triagem e processamento deles e a comercialização que gera renda aos cooperados”, explica o assessor da Secretaria do Trabalho e do Emprego Edemilson Favoron, que gerencia a ampliação. 

As secretarias de Planejamento, Fazenda, Saúde, Educação, Serviços Gerais e Meio Ambiente também estão envolvidas no plano, que visa expansão gradativa do sistema para toda a cidade.

Coleta seletiva e geração de renda

Considerando toda a área em que ocorre coleta seletiva de resíduos secos, a Cooperlagos processou, em 2020, mais de 1.412 toneladas de produtos descartados em Rio Preto. Além dos bairros recentemente incluídos, a cooperativa de recicláveis opera nas regiões da Vila Itália, Alto Rio Preto, Morumbi, Moisés Haddad, Quinta das Paineiras e Jardim Tarraf I e II, com  forte atuação junto a condomínios verticais e horizontais. 

O crescimento do trabalho vem permitindo a ampliação do quadro de cooperados, que no início do ano passado contava com 50 catadores e hoje chega a até 63. Do mesmo modo, a renda por eles gerada cresceu de R$ 1.211,27, em 2017 no início da cooperação com a Secretaria do Trabalho, para R$ 2.433,78, em dezembro de 2020.

A Ares (Associação Rio-pretense de Educação e Saúde) também colabora com a coleta seletiva no município, tendo processado e comercializados mais 271 toneladas de materiais recicláveis no ano passado. A associação é focada na capacitação de profissionais por meio da Educação Ambiental. Os participantes dividem o tempo entre aulas teóricas e presenciais (reorganizadas para cumprir os protocolos de enfrentamento ao coronavírus) e a coleta em de materiais nos condomínios: Dahma I,  Garden Village I e pontos de apoio. A partir da capacitação, os coletores têm a possibilidade de se organizar para trabalhar e gerar renda.

Neste ano, a Prefeitura de Rio Preto repassará R$ 578.240,00 à Cooperlagos e R$ 111.292,80 à Ares distribuídos em repasses mensais para manutenção do programa de geração de renda e educação para o trabalho por meio de coleta seletiva.

SERVIÇO COLETA SELETIVA PORTA A PORTA:

Segunda-feira: Residencial Anna Angélica, Jardim Belo Horizonte – CECAP, Jardim Anielli, Jardim Alice e Helio Cherubini

Terça-feira: Parque do Sol, Residencial Rio das Flores I e II, Residencial Macedo Teles I e II, Parque Lauriano Tebar e Loteamento Porto Seguro

Quarta-feira: Eldorado, Jardim Vetorasso, Jardim Henriqueta, Vila São Jorge e Jardim Santa Lúcia

Quinta-feira: Eldorado, Vila Santa Angela e Jardim Los Angeles

Sexta-feira: Jardim Astúrias, Solo Sagrado, Residencial Laranjeiras, Residencial Eldorado, Parque João da Silva e Vila Romana

Sempre das 8h às 17h

Artigo anteriorCantora traz o empoderamento feminino para live musical
Próximo artigoBarretos Country reabre para o público neste sábado, 6
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.