Olímpia anuncia Festival do Folclore “Digital” com medidas de proteção à população

0
40
53º Festival do Folclore de Olímpia começa neste sábado
53º Festival do Folclore de Olímpia começa neste sábado

Diante da pandemia da Covid-19, a Estância Turística de Olímpia se manifestou sobre a realização do Festival do Folclore 2020. O evento enfrentará um grande desafio, neste ano, com a adequação para o formato digital.

O anúncio da mudança foi feito pelo prefeito Fernando Cunha após reunião com o secretário de Cultura, Esportes e Lazer, Beto Puttini.

O prefeito explicou que,  tendo em vista que o Festival recebe grupos de diversos Estados, a Prefeitura tem estudado as medidas a serem adotadas.  Principalmente para proteger a população , sem deixar de lado o compromisso da cidade com a tradição. A cidade é a Capital Nacional do Folclore.

“A lei que transformou Olímpia em Capital  do Folclore nos traz responsabilidade de cultuar o folclore nacional. Nós nunca deixamos de ter o festival, temos grupos que mantêm sua existência por causa do evento e esperam o ano inteiro para vir a Olímpia. Mas,  o país todo está sofrendo . Nós estamos analisando e elaborando um projeto pra realização de um festival”, declarou o prefeito.

“Nós não traremos grupos de fora, não atrairemos visitantes e turistas para nosso festival. Faremos um festival digital, que será transmitido para o Brasil inteiro, pela internet, para todos os Estados lembrarem que existe a Capital Nacional, que promove a cultura do país como um todo”.

“Nossa ideia é pedir filmagens dos grupos para reproduzirmos as apresentações online e mesclar com apresentações presenciais dos grupos apenas de Olímpia, as Folias de Reis e Congadas, e os grupos parafolclóricos, voltado para a população olimpiense e transmitido pela internet”, acrescentou.

Também de acordo com o anúncio, a data do festival permaneceria a mesma, de 08 a 16 de agosto.  Estando em definição ainda os moldes da programação, com o cronograma das apresentações online e presenciais.

Além disso, está em estudo a mudança do local, levando as atividades presenciais para a Praça da Matriz, ao invés do Recinto, uma vez que será um evento de pequeno porte físico, focando na expansão do alcance digital.

A proposta também prevê a não realização das peregrinações e do desfile de encerramento, bem como das atividades que envolvem as crianças da rede municipal, para não as expor a nenhum risco .

Outra questão que ainda está em discussão é a de manter apenas as barracas das instituições sociais e filantrópicas.  Caso haja interesse das entidades, as estruturas serão montadas pela Prefeitura, respeitando as condições de distanciamento adequadas.

“Não teremos a movimentação e a grandiosidade da festa. faremos um festival essencialmente cultural. Esperamos que, com isso, a cidade cumpra com a nossa obrigação de preservar a cultura nacional, o folclore nacional.  e transmitir ,também, para os grupos de todo o Brasil, uma mensagem de esperança, de que a vida continua. ”, destacou o prefeito.

Recursos

A mudança de formato na realização do Fefol 2020 também causará impactos nos recursos investidos. Este ano, a previsão é de que o teto máximo de despesas esteja entre 50 e 100 mil.

É importante frisar ainda que, o município já tinha aprovado, para 2020, um projeto do Proac – Programa de Ação Cultural . A intenção é captar recursos junto às empresas para o custeio do evento. Com as busca de recursos, o objetivo é diminuir ou até zerar o dispêndio do município.

Por fim, o município destaca que,  todas as questões ainda estão sendo discutidas e estudadas, E, que, à medida que forem definidas, serão amplamente divulgadas pelos canais oficiais.

Artigo anteriorHospital João Paulo II atende pacientes de Rio Preto
Próximo artigoSeu Moço faz live solidária em prol da Santa Casa de Rio Preto
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.