RPM MESCLA NOVIDADES COM SUCESSOS ANTIGOS DURANTE SHOW EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

0
104

Acontece no próximo dia 27, às 23h, na Villa Rica Eventos, o show “Elektra” da banda RPM. O show é uma realização dos empresários Paulo Emílio Marques e Flávio Junqueira. “Este show abre um projeto com um novo conceito de se fazer eventos na cidade”, revela Paulo Emílio.

Segundo o vocalista da banda, Paulo Ricardo, a apresentação será incrível. “A galera de São José do Rio Preto pode esperar um grande espetáculo, uma grande produção, novas canções e antigos sucessos. E, sobretudo, uma grande energia e tesão entre nós e a plateia, nos vemos lá!”, manda o recado.

Sobre o Elektra

Fazia 23 anos que o RPM não gravava um álbum em estúdio. Fazia 23 anos que o RPM não soava tão….RPM. Por mais que o jogo de palavras pareça proposital para uma abertura estilosa sobre o disco Elektra, a afirmação é totalmente verdadeira. Se o RPM criou um estilo dentro do incensado BRock dos anos 1980, com este disco o grupo mostra que criou realmente uma grife.

Você ouve cinco segundos de qualquer das 12 faixas inéditas e mesmo antes da assinatura de voz de Paulo Ricardo, que não deixa qualquer dúvida, você sabe que estão ali Fernando Deluqui (guitarra), P.A. (bateria) e Luiz Schiavon (teclados e programação). Você sabe que o RPM está lá, na íntegra. E na melhor forma.

Faça o teste. Ouça o começo de “2 Olhos Verdes”, que já é o segundo rock mais tocado nas rádios do país. É o pós-punk da época em que o grupo nasceu, com sonoridade encharcada de Gang of Four, estalando de modernidade e energia.

“Penso que a maior influência do RPM é o próprio RPM. Temos marcas próprias, estilo próprio, uma maneira de compor e tocar que são particulares e valorizamos muito isso”, confirma Schiavon.

“(Elektra) É o conceito de um RPM update, de identificar e desenvolver nosso estilo, nossa marca, uma banda de tecnopop, um rock dançante, eletrônico, com letras instigantes. Uma banda que se orgulha de sua história, mas que olha pra frente”, completa Paulo Ricardo.

O grupo já havia se reunido há 10 anos. Mas em condições específicas, para um projeto ao vivo da MTV. “Aquele foi um projeto com começo, meio e fim. Hoje retomamos a carreira pensando em material totalmente inédito, shows com a banda em sua formação clássica de quarteto, sem participações. Voltamos ao bom e velho rock e a volta é definitiva”, diz o tecladista.

O desenho do retorno começou a se desenhar em 2008, quando foi lançado o box comemorativo de 25 anos de carreira. A Rede Globo resolveu homenageá-los no programa “Por Toda a Minha Vida”, e dali para conversas sérias sobre a volta foi um pulo. “Ficamos muito emocionados com a homenagem e vimos o carinho que as pessoas tem pela banda. E em novembro de 2010 começamos a compor as músicas do novo álbum”, conta Paulo Ricardo.

Em abril do ano passado fizeram alguns shows para esquentar. E finalizaram o ano com 70 apresentações pelo país, mirando nos três digitos de shows em 2012 e um DVD do registro da turnê para o segundo semestre. A promessa do baixista/vocalista é de “superprodução que demonstra mais uma vez que o RPM não deve nada às bandas lá de fora. Projeções, laser, elevadores, figurino, enfim, um show como os fãs esperam que seja: mega”.

Enquanto você não assiste o show (ao vivo ou em DVD), há material de sobra em Elektra para se deliciar.

Há power baladas de piano como “Problema Seu” e “Vidro e Cola”. Paulo Ricardo domina com uma linha de baixo matadora “Muito Tudo”, disco-house-electro com energia no talo.

O rock é a especialidade do quarteto, e vem na sequência com “Pessoa X”, em clima mezzo orgânico, mezzo eletrônico. “Cassino Royale” segue a mesma toada, de rockão para se ouvir pulando junto.

“Deusa das Águas” é uma balada chilli pepperiana com acento forte de sintetizador. Instrumento que domina também a música que batiza o album, a funkeada “Elektra”.

Há um house rock no miolo da obra, “Crepúsculo”, e a sequência final com “Ela é Demais (Para Mim)”, “Ninfa” e “Santo Graal” coloca-os na trilha de rock com sintetizador e astral batendo no teto.

Pergunto qual é o segredo. “Endurecer sem perder a ternura. Evoluir sem perder o estilo. Ousar, inovar, lançando um cd duplo, cheio de remixes”, diz Paulo Ricardo.

“Creio que hoje tenhamos retomado exatamente a mecânica dos anos 80. Essa é a forma com que a banda tem melhor desempenho e com essa visão distanciada 28 anos no tempo isso se tornou muito claro para nós. É claro que houve um tremendo avanço tecnológico e incorporamos isso no dia-a-dia da banda, mas a essência do método de trabalho é exatamente a mesma dos 80”, complementa Schiavon.

E a única brecha que me dá é a recomendação que ouça o CD e também o de remixes de sete músicas que o acompanha.

Serviço

Show Elektra – RPM – open bar.

Local: Villa Rica Eventos.

Data: 27 de abril às 23h

R$ 1,2 mil – mesa para 6 pessoas.

R$ 60 – masculino – área vip.

R$ 50 – feminino – área vip.

Formas de pagamento: Cartão de crédito – dividido em até 2x – Cartão de débito – Dinheiro

Ponto de vendas exclusivo:

Estande de divulgação e vendas no Riopreto Shopping Center (em frente a loja Richards)

Telefone para informações: (17) 9765-6060

Artigo anteriorInauguração da Arena Show Music é adiada
Próximo artigoDURVAL TELLES FAZ OFICINA PARA PRODUZIR SEU NOVO LONGA
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.