Sebrae e EMBRAPII destinam recursos para enfrentar o Coronavírus

0
15

O Sebrae e a EMBRAPII – Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial  liberam, nesta sexta-feira (20), R$ 2 milhões para o desenvolvimento de soluções tecnológicas para auxiliar o país a enfrentar o avanço do Coronavírus em seu território.

O aporte será somado a outros R$ 4 milhões da EMBRAPII e a contrapartidas das empresas e recurso econômicos das Unidades EMBRAPII. A expectativa é chegar a R$ 10 milhões em projetos de PD&I.

“Socorrer o pequeno negócio neste momento, é socorrer o país. É manter os empregos e condições mínimas para a economia continuar girando. Junto à Embrapii, estamos direcionando esforços para agilizar a construção de soluções que possam impactar  rapidamente neste enfretamento. Apostamos e confiamos na capacidade inovadora dos nossos empreendedores”, analisa o diretor-técnico do Sebrae, Bruno Quick.

 

“ as instituições precisam se unir para conter o avanço desta pandemia. A EMBRAPII e o Sebrae decidiram destinar recursos para ideias inovadoras de startups e pequenos empreendedores que possam potencializar o combate ao vírus no país”, destaca José Luis Gordon, diretor de Planejamento e Gestão da EMBRAPII.

Os recursos das instituições poderão ser utilizados por startups, micro e pequenas empresas associadas ou não à médias ou grandes empresas em projetos de inovação. As soluções podem envolver o diagnóstico e o tratamento da doença. As tecnologias incluem softwares, sistemas inteligentes, hardware, peças e equipamentos médicos, entre outros.

Além do recurso, as startups e empresas podem contar com o suporte técnico de pesquisadores especializados e a infraestrutura tecnológica das Unidades EMBRAPII no desenvolvimento de projetos. São 42 Unidades em 14 estados e no DF.

 

Contrato EMBRAPII e SEBRAE

Os R$ 2 milhões de reais correspondem à 50% da primeira parcela do acordo de R$ 30 milhões entre as duas instituições. O recurso se soma a outros R$ 20 milhões, que já permitiram o desenvolvimento de 109 projetos de inovação de startups, micro e pequenas empresas de base tecnológica.

Há três modalidades previstas no contrato. A primeira, voltada para o desenvolvimento tecnológico, destina-se apenas aos microempreendedores individuais, startups, micro e pequenas empresas. A segunda, é destinada ao encadeamento tecnológico e conta com a participação de empresas de médio e grande porte atuando como parceiras dos pequenos empreendedores.

A terceira, é o incentivo à inovação aberta com uma linha de financiamento voltada à criação de consórcios de empresas com interesse comum. A proposta inclui uma ou mais MGEs (Médias e Grandes Empresas) atuando em parceria com pequenos empreendedores.

Artigo anteriorBrasil tem 621 casos confirmados e sete mortos, Rio Preto tem 47 casos suspeitos
Próximo artigoAPAS garante álcool gel a preço de custo nos supermercados
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.