Viagens alternativas para fugir da aglomeração no Carnaval

0
75
Compartilhe

Para quem e busca alternativas para aproveitar os dias de Carnaval longe de aglomerações a Vivalá – Turismo Sustentável no Brasil oferece a rota de escape perfeita: destinos tranquilos e longe de todo o agito da cidade, onde o viajante pode ter contato com a natureza e culturas da região explorada. 

As expedições Chapada dos Veadeiros, Grande Sertão Veredas e Geoparque Seridó no Carnaval serão experiências com menos de 20 participantes em cada uma delas, tornando-se extremamente exclusivas. Além da conexão com a natureza, as expedições contam com o turismo de base comunitária, em uma intensa troca cultural com a população local. 

“O Grande Sertão Veredas e o Geoparque Seridó ainda são muito pouco conhecidos pelos brasileiros, são destinos maravilhosos, com cenários deslumbrantes, paisagens de tirar o fôlego, muita natureza e riqueza cultural, especialmente graças à presença da cultura sertaneja e quilombola”, explica Daniel Cabrera, cofundador e diretor executivo da Vivalá.

Optar por um roteiro de turismo sustentável faz bem para o turista, para os moradores da área visitada e também para o meio ambiente. Esse tipo de viagem gera uma série de impactos socioambientais positivos, contribuindo com a biodiversidade e com a população da região visitada, além de ser uma vivência realmente transformadora que te apresenta para um Brasil diferente, abrindo muito sua visão de país e de mundo. 

Conheça os roteiros de turismo sustentável para realizar no Carnaval de 2022, todos eles com início na sexta-feira pré-feriado, no dia 25 de fevereiro, com opções de 05 ou 08 dias de duração, ou seja, terminando dia 1º ou 04 de março: 

Chapada dos Veadeiros 

Localizada no estado de Goiás, a expedição para a Chapada dos Veadeiros conta com estadias na Aldeia Multiétnica, com um profundo contato com a cultura dos povos indígenas, e na comunidade espiritualista Cidade da Fraternidade, na zona rural de Alto Paraíso de Goiás. No Parque da Chapada dos Veadeiros o turista é presenteado com um cenário incrível e dezenas de cachoeiras e cânions que permeiam o local, como a cachoeira do Rio Preto que tem 120 metros de queda.

Nesta expedição para o cerrado brasileiro de imersão na cultura indígena,o viajante irá comer pratos típicos da região e curtir algumas das trilhas e cachoeiras mais lindas do Brasil. O ponto de encontro do grupo é em Brasília (DF).

Grande Sertão Veredas

Essa expedição tem como destino o norte de Minas Gerais, entre os estado de Goiás e Bahia, mais precisamente no município de Chapada Gaúcha (MG). É uma ótima opção para quem busca imergir na cultura sertaneja e quilombola, que muitas vezes é esquecida pelos brasileiros. A expedição permite um mergulho no sertão de Minas Gerais, conhecendo sua linda cultura, biodiversidade e riquezas naturais, como: cânions, cachoeiras, rios e montanhas.

O ponto de encontro para iniciar o roteiro é em Brasília (DF), lugar onde o viajante poderá conhecer o Congresso Nacional, a Praça dos Três Poderes, o Pontão do Lago Sul, entre outras atrações disponíveis. Logo após todos se reunirem, seguirão para o município de Chapada Gaúcha, onde fica o Parque Nacional Grande Sertão Veredas e local onde ocorre a expedição. 

Refazendo os passos do escritor João Guimarães Rosa, o viajante se sentirá dentro do clássico “Grande Sertão Veredas”. O destino irá encher sua memória com sons e gostos, através de aulas de percussão, cantos tradicionais, dança de roda com o grupo Maria Di Pintado e refeições típicas das comunidades locais. Outro ponto alto do roteiro são as noites dentro de geodésicas nas comunidades quilombolas.

Geoparque Seridó 

Com um território de 2.800 quilômetros quadrados no semiárido nordestino, que abrange os municípios de Acari, Carnaúba dos Dantas, Cerro Corá, Currais Novos, Lagoa Nova e Parelhas, no Rio Grande do Norte (RN), quem escolher o Geoparque Seridó como destino irá vivenciar uma experiência de imersão profunda na cultura sertaneja nordestina, podendo degustar doces típicos da região, fazer trilhas, conhecer artistas locais como cordelistas e escultores, além de fazer meditação sobre a montanha e até uma aula de kung fu para iniciantes em um ambiente surreal.

Para a facilitadora da Vivalá nesta expedição, Janaina Medeiros, quem escolher o Geoparque como destino no carnaval terá a oportunidade valiosa de conhecer o dia-a-dia das comunidades.

“Será proporcionada uma experiência de vivenciar o que o território do Geoparque Seridó tem de melhor a oferecer, uma beleza e uma importância única em sua geodiversidade, mas também um povo acolhedor, que vai repassar suas histórias através de suas artes, gastronomia e dos relatos dos seus afazeres. Isso só é possível vivenciar em roteiros que buscam, além do conhecimento dos locais, conhecer a história das comunidades inseridas ali”, afirma. 

O trabalho de facilitador

Em todos os destinos da Vivalá, os viajantes estarão sempre acompanhados de guias e um facilitador local. Quem escolher o Geoparque Seridó como destino, por exemplo, contará com a companhia constante da Janaína.

“Confesso que me apaixonei de cara por todo o trabalho e o que representa a Vivalá junto aos territórios que eles operam. Meu trabalho como facilitadora será como um líder operacional nas experiências de volunturismo e de turismo de base comunitária junto aos roteiros da Vivalá. Estarei todo o tempo de permanência dos visitantes em conjunto com eles em nosso território, para que possamos oferecer um trabalho de excelência e que fará com que todos que estiverem aqui possam realmente vivenciar o Geoparque Seridó e suas particularidades únicas”, explica Janaína, facilitadora da Vivalá.

Saiba mais sobre as expedições 

A Vivalá trabalha em 07 unidades de conservação no Brasil, com a atuação em três locais da Amazônia: Rio Negro (AM), Floresta Nacional dos Tapajós e Alter do Chão (PA) e Aldeia Shanenawá (AC); dois no Cerrado: a Chapada dos Veadeiros (GO) e Grande Sertão Veredas (MG); além de dois outros na Caatinga: o Parque Nacional da Chapada Diamantina (BA) e o Geoparque Seridó (RN).

Os preços das expedições variam entre R$ 2.050 a R$ 4.800, a depender do destino, data e duração, podendo ser parcelado em até 08x sem juros no cartão. O valor inclui todos os transportes terrestres e aquáticos, hospedagens, quase todas as refeições, todas as experiências, seguro e o acompanhamento durante todos os dias de guias locais e facilitadores que tornam a experiência ainda mais memorável. Para conhecer as expedições no detalhe, acesse o site www.vivala.com.br.

Cuidados

A Vivalá atua na conscientização em relação aos cuidados de higiene que devem ser tomados para as atividades. Cada viajante, fornecedor e comunitário devem apresentar comprovante de vacinação contra a COVID-19. Ao longo de toda a viagem também são disponibilizadas máscaras e álcool para reforçar os cuidados necessários.

Os cuidados estão redobrados na alimentação e limpeza das hospedagens. São recomendados ainda testes para a COVID-19 antes e depois da viagem. 

Sobre a Vivalá

A Vivalá Turismo Sustentável no Brasil surgiu em 2015 como um negócio social com a missão de ressignificar as relações das pessoas com o Brasil através do turismo sustentável. A organização é especializada em expedições em unidades de conservação com profunda interação com a natureza e imersão nas comunidades tradicionais locais em programas de turismo de base comunitária e voluntariado.

A Vivalá recebeu 09 prêmios e reconhecimentos importantes em sua trajetória, sendo convidada para compor a rede Young Leaders of Américas do departamento de estado americano em 2018, a agência mais sustentável do Brasil em 2019 pela ONU, Organização Mundial do Turismo e Braztoa, além de ter sido escolhida em 2021 nos programas de aceleração da Fundação Grupo Boticário, Aceleradora 100+ da Ambev e PPA, e da iniciativa global da Yunus & Youth. 

Mais informações pelo e-mail contato@vivala.com.br ou telefone (11) 95658-5778.


Compartilhe
Artigo anteriorBrotas investe em complexos aquáticos
Próximo artigoTereos inicia contratação de 1,1 mil safristas e tem mais outras 110 vagas efetivas de emprego
Sou jornalista com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. No início da década de 80 atuei no Rádio e no jornal impresso. Como a curiosidade é a alma do bom jornalista, troquei Rio Preto pela mochila. Morei em Berlim, quando esta ainda era ladeado pelo muro, colhi uva nos campos franceses e vivi em Paris. Depois de viajar pela Europa fui morar em um Kibbutz onde conheci meu primeiro marido, um britânico. Na Inglaterra formei-me em catering pelo Southgate Technical College. De volta ao Brasil, fui ser agricultora orgânica e passei a assinar uma coluna sobre alimentação no Diário da Região. Em 99 nasceu a “Talk Club Assessoria”, uma das primeiras agências de assessoria de imprensa de Rio Preto. Durante uma década a empresa atendeu grandes clientes. Acompanhando o mercado a “Talk Club” se transformou em uma produtora de vídeo, e tem como sócio o cinegrafista e diretor de arte Luis Soares, meu atual marido. Em outubro 2007, criamos o primeiro programa de TV o “ Maturidade Feliz” Programa este que alcançou nível nacional, em 2010, na Rede Vida de Televisão. No final de novembro de 2010 surgiu o “ Malu Rodrigues Visita”, um programa de jornalismo social.